Falamos todos a mesma língua?

Ontem, tomei o mata-bicho, meti-me num machimbombo e fui ver o Tejo.  Precisava de sozinhar-me, como diria o escritor Mia Couto. Não levei comigo nem a minha garina.  Na minha pasta, tinha um pacote de mancarras (adoro alcagoitas!) e um suco de manga para o meu café da tarde, embora faltasse café, pois todos osContinuar lendo “Falamos todos a mesma língua?”

Publicidade

Sobre a Língua Portuguesa

Queridos leitores, Conhecer bem a NOSSA LÍNGUA é um passo essencial para ampliarmos nossos horizontes. Através desse conhecimento, podemos: a) nos expressar melhor e ampliar as chances de conquistarmos atenção e respeito dos interlocutores; b) ler e compreender plenamente diferentes tipos de texto, mesmo os mais complexos; c) expressar com clareza sentimentos e opiniões, para que ouçamContinuar lendo “Sobre a Língua Portuguesa”

As várias faces do verbo TOMAR

Lembram-se do nosso post sobre os verbos Beber ou tomar água? Hoje iremos aprofundar alguns aspectos do verbo tomar, que além de ser usado com sentido de beber, como vimos, pode assumir também significados diferentes e bem amplos. Prestem atenção nos exemplos: 1) Tomou a criança pelas mãos e atravessou a rua. (tomar = agarrar, segurar,Continuar lendo “As várias faces do verbo TOMAR”

Castro Alves – O Navio Negreiro (Tragédia no mar)

Caros amigos, Hoje compartilhamos com vocês “O navio negreiro”, poema de autoria de um dos mais importantes poetas do Romantismo Brasileiro do século XIX chamado Castro Alves  (Muritiba, 14 de março de 1847 – Salvador, 6 de julho de 1871), considerado o maior defensor do abolicionismo, por isso mesmo, denominado “O poeta dos escravos”. (Créditos da imagem – Wikipédia) Castro Alves destaca-se na poesia de caráterContinuar lendo “Castro Alves – O Navio Negreiro (Tragédia no mar)”